(81) 2129.4525 contato@escoladombosco.org.br  

Se você tem as seguintes documentações abaixo, e disponibilidade no horário da manhã faça a sua inscrição em nosso Site: www.escoladombosco.org.br
Ter Carteira de Trabalho, CPF, Carteira de Identidade, Título Eleitoral, CAM ou reservista – para o sexo masculino.
 
SÓ REALIZE A INSCRIÇÃO SE VOCÊ TIVER OS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS!

https://nhsalesiano.blogspot.com.br/2017/10/recife-bongi-atividades-no-encerramento.html.

RECIFE-BONGI | ATIVIDADES NO ENCERRAMENTO DO SETEMBRO AMARELO

 
Imagem: Divulgação

Como lidar com um problema tão consistente, mas que ainda é cercado por tabus e preconceitos?

O suicídio é um mal presente em muitas famílias, gerando dor e tristeza. Muitas vezes, a interrupção voluntária da própria vida é fruto de distúrbios psíquicos e/ou sociais graves como depressão, bullying e abusos de natureza sexual, ou não. Entre outros sintomas, podemos citar a perda de sentido da vida, bem como desespero extremo diante de dificuldades, com a percepção de impossível solução.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) alerta que, a cada 40 segundos, morre uma pessoa através de suicídio, no mundo. Já no Brasil, a taxa de suicídios na população de 15 a 29 anos subiu de 5,1 (por 100 mil habitantes), em 2002, para 5,6 em 2014 – um aumento de quase 10%.

Segundo o CVV – Centro de Valorização da Vida, que realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, o melhor caminho para combater esse problema é falar sobre ele e orientar a população sobre como ajudar e onde buscar ajuda quando o mal é identificado.

A Escola Dom Bosco, buscando participar ativamente do Setembro Amarelo e valorizar a vida como a mais bela expressão do amor de Deus por nós, desenvolveu um ciclo de palestras e atividades na instituição – contando com a ajuda de estudantes de psicologia, alunos e educadores por meio da articulação da psicóloga da Escola, Camila Gueiros. Segundo ela, “trabalhar o tema junto aos jovens é relevante, pois contribui com o empoderamento e a desmistificação que cerca o suicídio, além de proporcionar meios pelos quais os jovens possam buscar ajuda ou ajudar outros jovens que se encontrem em extrema vulnerabilidade, juntamente com todo corpo docente e pastoral”.

Entre os temas abordados na escola, durante o mês, estiveram:

– Setembro amarelo: humanizar e acolher / falar e cuidar
– Valorização da vida: entender para acolher
– Suicídio não: falar é a melhor solução

Por Wagner Albert Alcoforado – Coordenação Pastoral Escola Dom Bosco Bongi